A Bruxa do Gelo

Muito, muito tempo atrás, antes das árvores nascerem, o mundo inteiro era composto principalmente de gelo e neve. Neste local vivia uma jovem. Ela sempre viveu lá desde que tinha memória e sempre morou sozinha. A cada dia, ela caminhava pelo gelo e neve e contava cada cristal de gelo e floco de neve. Ela enumerou tudo. Ela sabia a hora exata e o dia em que cada floco de neve havia caído. Ela dera a cada floco de neve um novo número no exato momento em que caíra do céu. Ela sabia exatamente onde cada floco de neve estava e quando derreteria. Ela enumerou tudo e se lembrava de tudo.

 Na primavera, ela se lembrava da quantidade de cada floco de neve que derretia em uma única gota d’água e se fundia com o único rio que corria pelo centro do vale. À medida que o rio passava, ela sabia o número de cada gota d’água dentro dele. Ela podia até sentir onde cada gota estava no rio. Ela até sabia exatamente onde cada gota estava, para onde iria e quando voltaria para ela na forma de um floco de neve. Ela podia sentir este rio com seu corpo. Ela conhecia este rio muito bem. Ela havia lhe dado um número no dia em que nasceu.

Hoje, ela caminhava lentamente rio acima contando cada grão de areia ao longo do caminho. Ela se lembraria e numeraria cada um deles. Mas hoje era um dia especial, era hora de contar as novas folhas de grama. A cada primavera, ela fazia isso, ela sabia exatamente quais folhas de grama estiveram lá no ano passado. Ela sabia quando cada folha de grama foi criada pela primeira vez e exatamente quando voltaria para ela na primavera. Ela ficou especialmente feliz quando encontrou uma nova folha de grama que chegou pela primeira vez. Ela sabia que a cada nova folha de grama que chegava ao mundo, o amor aumentava.

Um dia, ela estava subindo o rio, contando e numerando tudo, quando um lindo pássaro azul pousou a seus pés. Os olhos do pássaro eram de um azul brilhante e cintilavam com muitos pontos de luz. Ela estendeu a mão e o pássaro pulou direto nela. O pássaro a olhou nos olhos e cantou uma canção de aniversário. Ela sabia em seu coração que o pássaro queria que ela o seguisse. Ela se ajoelhava e colocava as mãos com ternura em volta de cada folha de grama brilhante que encontrava. Ela movia seus lábios muito perto da folha de grama e cantava uma canção de aniversário, então ela daria a essa nova folha de grama um novo número e se lembraria dela para sempre. Ela fez isso o dia todo. Ela adorava especialmente quando uma das folhas da grama dava à luz uma minúscula flor rosa azul ou branca. Ela amava muito essas pequenas flores e dava a cada uma delas um novo número especial.

À noite, ela se deitava de costas e contava as estrelas. Ela sabia o número exato de cada estrela e onde estava no céu. Ela sempre ficava animada por encontrar uma nova estrela. Ela cantava uma canção de aniversário para cada nova estrela e dava a ela um novo número. Ela ria e se perguntava quando cada estrela daria à luz uma flor gigante rosa, azul e branca.

Mas sua coisa favorita a fazer era deitar-se de costas durante um dia claro e ensolarado e lembrar exatamente onde cada estrela estava localizada. O círculo azul brilhante do céu parecia o único olho de um pássaro gigante. Ela se perguntava quantos pássaros haveriam. Ela fechava os olhos em silêncio para se lembrar de tudo o que havia contado.
Ela amava muito este vale e sua casa, mas ela daria tudo pelo amor de um único príncipe belo. Veja bem, ela sempre viveu sozinha e queria dar tudo o que tinha de presente para o homem que amava.
O pássaro voou vale acima e se apressou. Ela se apressou em acompanhá-lo. Ela seguiu o pássaro azul cada vez mais alto no vale, para um lugar onde ela nunca tinha estado.

A luz dourada do sol do final da manhã encheu a neve cintilante com uma cor especial que ela nunca tinha visto. Ela estava tão animada para dar um novo número a tudo. Havia tantas coisas novas para contar e todo o lugar estava cheio das mais pequenas flores rosas, azuis e brancas do que ela já tinha visto antes.
Como uma grande taça, seu coração transbordava de pura alegria. O vale aqui era mais íngreme do que ela estava familiarizada, então ela teve que escalar os últimos montes de grama e flores em suas mãos e joelhos. Então, de repente, ela ficou cara a cara com uma enorme parede de gelo. Ela se levantou e a parede de gelo era muito mais alta do que ela. A cor desse gelo era o azul turquesa mais profundo que ela já vira.

Enquanto ela olhava profundamente no gelo, ela podia sentir cada cristal cintilante dentro dele. Ela gentilmente sabia o número de cada cristal dentro do gelo e exatamente o dia em que cada um deles havia chegado.
O coração dentro dela começou a bater descontroladamente. Lá, embutida no gelo, estava uma bela espada de dois gumes. O cabo era de ouro puro e a lâmina de prata pura. Era a espada mais bela. Ela podia sentir que seu coração amava esta espada mais do que todos os seus números combinados. Ela queria mais do que qualquer coisa tocar a espada, mas estava profundamente no gelo e fora de seu alcance. Ela gritou: “Por favor, deixe-me tocar nesta espada”, e imediatamente apareceu, ao seu lado, uma mulher idosa.
Essa velha tinha cabelos brancos e compridos, mais compridos do que a cintura e mais brancos do que o branco da neve. Os olhos da mulher eram de um azul turquesa profundo e brilhavam com a luz de muitas estrelas. Seu rosto era enrugado, e ela não sorriu. A velha olhou diretamente para a jovem e disse-lhe: “Eu sou a bruxa do gelo e a mãe de cada floco de neve, se você realmente quer esta espada, deve prometer que a seguirá não importa aonde ela te leve. Se você colocar sua mão naquela espada, você nunca poderá voltar atrás, mas antes mesmo de tocar na espada você tem que responder a uma pergunta: Quantas estrelas há no olho do pássaro azul? ”.

A menina respondeu sem hesitação: “Todos eles.” De repente, a bruxa do gelo desapareceu e a parede de gelo e o coração da jovem começaram a tremer. A parede de gelo rachou-se e depois se despedaçou-se e a bela espada caiu a seus pés. O coração da garota começou a brilhar com um fogo estranho quando ela alcançou a tocar a espada e assim que ela tocou a espada explodiu em uma chama que combinava com o fogo em seu coração e ali, parado no fogo dourado estava um belo príncipe.
Ele era mais alto do que ela e tinha olhos com mais estrelas do que ela podia contar e o belo príncipe sorriu para ela e disse: “Obrigado, meu amor, por me libertar. Há muito, muito tempo, a bruxa malvada do gelo me aprisionou até o dia em que a mulher que me amava me libertou. Por favor, seja minha esposa e viveremos em meu castelo dourado, no alto da montanha. ”

Ela estava tão feliz. Sem dizer uma palavra, ela colocou a mão direita na dele e juntos começaram a subir a montanha.
O príncipe carregava consigo dois sacos de sementes de árvores. Ao longo do caminho, eles plantaram sementes na terra úmida e quente, foi assim que as árvores nasceram. Claro que ela enumerou e se lembrou de cada um deles.
O príncipe se tornou um rei e ele, com sua rainha, viveu no castelo dourado no topo da montanha por exatamente uma eternidade.